segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

MEDITAÇÃO MATINAL III

João Batista era um homem sério
Morava no deserto
Comia gafanhotos
E só pensava no seu ministério

Apesar de toda a retidão
Foi em cana direto
E na frente de outros
teve a cabeça exposta no salão.

O Evangelho escrito por Lucas traz, no versículo 9 do capítulo 9, uma menção a morte do precursor de Cristo, o profeta João Batista. mas é nos livros de Marcos (6: 14-29) e Mateus (14: 1-12) que o acontecido é relatado com mais detalhes.

Segundo os evangelistas o rei Herodes havia mandado prender o profeta, pois ele estava condenando o rei publicamente por manter uma relação com a sua cunhada Herodias. No decorrer da história, vemos que o rei não pretendia matar o profeta, ainda que em parte por medo da reação do povo. Contudo, numa festa ele fez uma promessa a sua sobrinha, a filha de Herodias, dizendo que daria o que quer que ela lhe pedisse. A mesma, instruída por sua mãe, pediu que lhe entregassem a cabeça de João Batista em uma bandeja... Foi o fim do ministério do Batista. Devido a promessa Herodes foi obrigado a decapitar o profeta.

Triste história. Mas que nos traz algumas lições importantes.

* O cristão não foi chamado para nadar num mar de rosas.
Diferente da mensagem do evangelho pregada nos programas "gospel" da TV, o Reino de Deus é marcado muito mais pelo sofrimento do que pela propalada prosperidade. O próprio Jesus já alertava para isso ao dizer: "Quem quiser seguir-me deve renunciar a si mesmo, tomar a sua cruz cotidiana e então acompanhar-me" (Mt 16:24).

* As lutas são para todos.
João era "a voz do que clama no deserto", profetizada por Isaías (Is 40:3), mas ainda assim Deus permitiu que ele fosse para a prisão. Independente do que somos, ou achamos que somos, as lutas e dificuldades virão contra nós. Podemos ser cantores famosos, conferencistas internacionais ou simples entregadores de panfletos evangelísticos, não estaremos nunca a salvo de sofrermos as agruras da caminhada.

* Apesar do sofrimento, vale a pena servir a Deus.
Ganhar um elogio do próprio Cristo é para poucos e João recebeu (Lucas 7 : 28). Quando nos conscientizamos que nosso prêmio não será ganho aqui na vida terrena, ganhamos forças para enfrentarmos nossa luta diária e prosseguirmos nosso combate.

Certamente um dia vamos dizer como Paulo: "Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé!" (II Tm 4:7) e que ao final possamos ouvir do próprio Jesus as palavras de boas vindas nas moradas celestiais: "Vinde benditos de meu Pai!".

Coragem, meus irmãos. Só mais um pouquinho e logo estaremos lá...

... Nos braços do Pai.

Nenhum comentário: